Batman Begins - YabloG!

Batman Begins

outubro 13th, 2005 | Por Fábio Yabu em Resenhas

Pois é, quando o filme estava nos cinemas há poucos meses, todo mundo me perguntava quando eu ia escrever sobre ele. Acontece que eu fiquei enrolando, quando fui ao cinema já tinha lotado, vieram filmes mais prioritários como Terra dos Mortos e… acabei não vendo Batman Begins na telona.

Tudo bem. Hoje o file já está em DVD para locação e compra (achei absurdos os R$ 49,90, daqui a dois meses você encontra por R$ 24,90 na Blockbuster ou mesmo no Carrefour).

Bom. Assisti. E…

Cara…

Eu gostei. Gostei, gostei. Mas não SUPER gostei.

Agora, largue essa cadeira e vamos conversar.

Sabe, a primeira hora do filme é muito boa. O treinamento de Bruce, os diálogos e interpretações estão muito bons… a direção também manda bem. Mas a acho que o roteiro não se mantém durante o filme. Quando Bruce volta para Gotham e começa a socar os bandidos é que os problemas começam e o filme desanda.

O filme vive se justificando demais, leva o seu entendimento a um nível desnecessário que acaba frustrando quando alguma cena requer um pouco mais de condescendência do expectador. Por exemplo: toda a artilharia do Batman, da roupa à capa, passando pelas luvas e pelo cinto de utilidades, é tudo explicado tintim por tintim. Mas então temos um carro de quatro toneladas pulando de prédio em prédio sem demolir nenhum. E um plano maligno de um super-vilão que começa como um personagem crível mas depois parece fugido diretamente do covil da Legião do Mal. Caramba, quer destruir Gotham? Joga uma bomba, ué! Não precisa fazer aquele esquema todo.

Foi isso que acabou me frustrando um pouco. Esse realismo excessivo versus fantasia dos quadrinhos, que não é encontrado em Homem-Aranha 2, por exemplo. Lá tudo é meio fantasia. O filme não fica se justificando, os personagens são críveis mas nem por isso ver Peter Parker se pendurando entre os prédios parece fantasioso.

E a atual Sra. Tom Cruise, Katie Holmes, hein? De todas as namoradas que o Batman já teve no cinema, ela é foi sem dúvida a mais fraquinha. Não tem como não lembrar de Kim Bassinger, Michelle Pfeifer e a ex-senhora Tom Cruise Nicole Kidman.

Também prefiro a Gotham do Tim Burton.

Outra coisa que me incomodou foram as malditas frases repetidas pelos personagens em momentos diferentes do filme. Tipo “Você não desistiu de mim, não é mesmo, Alfred?”. “Nunca“. Ou então “Por que caímos, Bruce?”, repetida mais vezes durante o filme do que o refrão de “I wanna rock and roll all nite“, do Kiss.

Bom. Pode não parecer, mas eu gostei, tá?

P.S.: Sabe uma coisa que eu nunca entendi no Batman? Aquela história dos pais dele. Tipo, você é um dos homens mais ricos do planeta, mora num castelo e resolve ir ao cinema. Será que na volta você pensa: “Bom, como vou voltar pro meu palácio a pé com minha esposa chiquérrima e meu filho de 7 anos, acho melhor a gente pegar um atalho por esse beco escuro, suspeito e cheirando a dejetos humanos.” ?


You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube