Um longo post sobre dublagem - YabloG!

Um longo post sobre dublagem

julho 19th, 2007 | Por Fábio Yabu em Criações

Eu acho que já entendi porque a FOOOOX está passando toda a programação dublada! É muito simples!!

Porque dirigir uma dublagem é a coisa mais divertida do mundo! Certamente o diretor de dublagem da FOOOX é filho do Sr. Billy Paul FOOOOOX. É! É isso mesmo!! Se meu pai fosse dono da FOOOOX eu faria a mesma coisa!!

“Paiê, deixa eu dublar toda a programação do seu canal? Ah, deixa vaaaai!”

“Tá bom, filhinho! Mas não vai sujar seu shortinho, hein??”

Bom, mas como não é o caso, e o Seu Eiji só quer saber de pescar, eu tive que me virar como pude. Começou láaa atrás, no longínquo ano de 2001, quando fiz três episódios (des)animados dos Combo Rangers. Depois daquilo, acabei fazendo uma coisinha ou outra pros episódios em Flash, umas coisinhas pra Eliana Dedinhos (“doneliana“, como eu chamava na época), e acabou por aí.

Anos depois, aconteceu aquilo que muda a vida de todo homem. Não, não engravidei ninguém, não, é que começou a passar Queer Eye for the Straight Guy. Aí já viu, né? É creminho pra cá, protetor solar pra lá, petit gateau, começa a fazer regime, a vida começa a ficar mais cor de rosa, o cara começa a pensar em ter novas experiências, aí já viu… comecei a escrever os livros das Princesas do Mar! Um luxo! Tem até purpurina na capa!

Veio o desenho animado, e de repente eu estava na maravilhosa Sydney, Austrália, acompanhando o primeiro dia de dublagens da série! Ouvir as dubladoras interpretando os personagens que criei foi algo surreal. Abaixo tem algumas cenas que gravei no dia, desculpem a péssima qualidade das imagens, é que eu estava filmando por trás do vidro e contra a luz, então já viu… mas dá pra ouvir bem o primeiro diálogo da Polvina com seus pais:

[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/ZSBCKD1_oBQ" height="350" width="400" /]

Abaixo está uma parte do elenco reunida:

elenco_sea_princesses.jpg
Eu não lembro o nome de todas, mas vamos lá: a primeira da esquerda é a Alex Cook (interpreta a Matilda), a mais alta lá atrás é a Olivia Pigeot (Prof. Márcia), a ruiva do meio é Paige Walker (Tubarina), atrás dela de azul é Jaqui Lofgren (Léia), de preto é a adorável Isabella Dunwill (Polvina) e ao lado, de rosa é Katherine Cohn (Estér). A que está lá atrás eu não lembro, duh!! T__T

Durante as dublagens, acabei descobrindo que o estilo do diretor Craig é bem parecido com o meu. Acho que pra você dirigir o trabalho de alguém, precisa ter uma idéia do potencial da pessoa, ter uma noção de até onde ela pode chegar, justamente para NÃO exigir isso no começo. Se você deixa espaço pra pessoa errar e perceber por si mesma, ela acaba se desenvolvendo sozinha, e, no caso da interpretação, faz nascer o personagem com algo mais pessoal e humano.

É como a relação entre um preparador físico e um atleta. O preparador não precisa ser o cara mais forte do mundo, esse é o papel do atleta. O que o preparador precisa é saber até onde o atleta pode ir, mandá-lo parar antes do limite, pra que no dia seguinte ele volte um pouco melhor preparado pra ir um pouquinho mais longe. (É impressão minha ou eu acabei de fazer uma metáfora com esporte?) Figuras linguísticas à parte, a evolução das dubladoras durante os episódios da série é algo impressionante. De qualquer série, aliás!

Bom, mais de um ano depois, de volta ao Brasil, começamos os trabalhos de dublagem dos episódios, para a exibição durante o lançamento do novo livro. É mais complicado do que parece. Mesmo que os roteiros tenham sido adaptados dos meus livros, tem todo um lado de timing e métrica que precisa ser observado. As falas precisam ter mais ou menos o mesmo número de sílabas ou fonemas, as idéias e expressões precisam ser adaptadas pro português e muitas vezes as coisas fazem sentido no papel mas ficam esquisitas quando alguém as pronuncia.

Aí entra o trabalho do diretor de dublagem, que no caso das Princesas, foi o Jorge Vasconcelos. Aqui preciso fazer um parênteses pra contar algo engraçado, eu só havia falado com ele pelo telefone antes de nos encontrarmos para a dublagem, e tinha ficado encafifado com a voz dele, que eu não lembrava de onde era. Só depois de algum tempo ouvindo ele falar pessoalmente é que percebi que ele é o LOCUTOR DO SONY, hahaha. Eu até pedi pra ele falar “Não perca Princesas do Mar, nas Quintas de Moranga do Sony Entertainment Television!“. Foi muito engraçado. O Jorge aliás é gente finíssima e um excelente diretor. Fecha parênteses.

Tem outra coisa que também é muito importante, e que ainda não estou 100% certo de que acertei a mão, que é a química que rola entre as vozes de todo o elenco. Cada dublador tem o seu jeito, o seu timbre, mas quando você junta vários personagens, surge algo que é quase como uma nova voz, que é a voz da série. É como quando mudaram a voz do Homer, nos Simpsons. A série inteira perde não só por causa do protagonista, mas também porque parece que as vozes antigas não parecem interagir bem com a nova. Mas enfim, por enquanto acho que está tudo certo.

Chega então a parte que eu mais gosto. É justamente aquilo que eu disse sobre deixar a pessoa se desenvolver… durante as dublagens eu gostava de sugerir que as dubladoras adaptassem algumas falas ao seu jeito. Acho que é muito mais gostoso ouvir um desenho animado com expressões coloquiais do que aquele texto quadradinho tipo Herbert Richards. Então, nos dois episódios que gravamos, dá pra ouvir as Princesas falando coisas como “Cruz credo!” e “Sei lá!” ao invés de “Minha nossa!” e “Eu não sei”, além de falarem “Tipo” como vírgula. É aí que está a mágica do negócio, quando você mistura um conceito seu com a interpretação livre de outra pessoa, surge algo novo. Não é mais a visão do diretor ou a do dublador, mas sim um personagem, com vida própria.

Essas são as pessoas que emprestaram seu talento na dublagem das Princesas em português:

Priscila Concepción – Estér
Fernanda Bullara – Polvina
Flávia Narciso – Tubarina
Marli Bortoletto – Prof. Márcia

Todas são bastante conhecidas, mas talvez a mais famosa seja a Marli, que criou a inconfundível voz da Mônica. Quem for ao lançamento do livro no sábado vai conferir em primeira mão, do contrário só em 2008! Então não perca! :)

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.

15 Comentários



  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube