5 coisas que aprendi com crowdfunding - YabloG!

5 coisas que aprendi com crowdfunding

janeiro 11th, 2013 | Por Fábio Yabu em Criações

A essa altura do campeonato você já deve saber – em três semanas de campanha no site Catarse, os Combo Rangers arrecadaram mais de R$ 50.000,00, que vão financiar o retorno dos heróis às livrarias, pela Editora JBC, 10 anos após o cancelamento da revista. Melhor ainda: se continuar nesse ritmo, a campanha vai financiar a produção de dois ou até três álbuns, e não apenas um, como foi planejado inicialmente (por isso, se você ainda não ajudou, a hora é agora!).

O mecanismo utilizado foi o crowdfunding: uma nova maneira de financiar ideias, em que autores, fãs e, no meu caso, uma editora, juntam esforços para realizar projetos que antes viviam presos às cruéis masmorras da viabilidade comercial.

Crowdfunding não é apenas compartilhar dinheiro e ideias, mas também aprendizado. Há mais de um ano eu tenho estudado um eventual retorno dos personagens por meio do financiamento coletivo, e, com essa experiência tão bem sucedida eu gostaria de compartilhar também o que aprendi.

Papel e caneta na mão?

1. Produtores culturais têm um novo paradigma

Sonhos custam caro. Sonhos bons então, nem se fala, mas com o advento do crowdfunding, o sonho fica um pouco mais próximo. Até pouco tempo, quem não tinha grana para bancar um curta, a gravação de um CD, ou uma revista em quadrinhos, precisava recorrer a fontes como: empréstimos bancários, incentivos fiscais, concursos ou editais do Ministério da Cultura.

Nessa estrada há mais de 10 anos, tentei todas as opções acima para bancar meus projetos. Não recomendo a primeira de forma alguma. As outras são difíceis. E NENHUMA delas se mostrou tão rápida e eficiente quanto o crowdfunding. O risco é baixo, a burocracia é quase inexistente se comparada à das leis de incentivo, e em no máximo dois meses você sabe se vai conseguir ou não.

Mas peralá:

2. Não é esse oba-oba também.

Eu consigo imaginar o que muita gente daí do outro lado está pensando: “Que molesa, o cara conseguiu 50 mil reais em três semanas!”. Tudo está errado nessa frase, e a grafia do “moleza” é apenas o começo. Não foram 50 mil reais. Descontadas as comissões, o valor das recompensas e do frete, sobra pouco mais da metade disso para financiar o projeto.

Faça bem as contas antes de incluir seu projeto, no Catarse, no Kickstarter ou onde for. Desde já, desconte 13% de comissão + taxas de cartão de crédito. Calcule o valor de cada recompensa, e, em especial, do frete. E se 1000 pessoas ajudarem? Você vai ter grana para mandar recompensa para tanta gente? Seu projeto pode ser bem mais caro do que parece à primeira vista.

3. Seu projeto precisa ser maior que a realidade.

Três máximas que ouvi a vida inteira: a) Brasileiro não lê. b) Quadrinho nacional não dá certo. c) Ninguém paga por conteúdo.

Dependendo do contexto, as três afirmações acima são sim, verdadeiras. Mas se você olhar pelo ângulo certo do prisma, e, o mais importante, se criar um projeto de qualidade, que ressoe nas pessoas certas, você encontrará centenas de indivíduos generosos que a) Sim, leem muito. b) Amam não apenas quadrinhos, mas projetos culturais brasileiros. c) Estão dispostos e se sentem muito felizes em pagar (bem!) por esse conteúdo.

4. Ninguém é obrigado a acreditar em você.

Gravar um vídeo convincente e sincero (e, o mais importante, sê-los!) é parte fundamental na defesa de seu projeto. Eu cansei de ver vídeos no Catarse ou Kickstarter recheados de ironia e cinismo, forrados na derrota. Não por acaso, tais vídeos dificilmente conseguem convencer os apoiadores, ainda que suas metas financeiras sejam baixas.

Meu vídeo pode não ter ficado perfeito. Eu gravei com um iPhone equilibrado sobre um porta-retrato. Tive que parar a gravação várias vezes porque moro do lado de Congonhas. E porque quase chorei umas duas ou três.

Cada palavra ali é verdadeira. Se você quer que outros apoiem seu projeto, o primeiro a acreditar nele tem que ser você… e nós saberemos se você não estiver sendo sincero.

(A não ser que você seja sei lá, um baita ator).

5. E o mais importante: você precisa dar antes de receber

Não foram 3 semanas para arrecadar o dinheiro. Foram mais de 10 anos criando conteúdo de qualidade, de graça, para quem quisesse ler. Agora vejo que todo o esforço empregado durante anos tão difíceis da minha vida voltaram através do carinho e apoio financeiro de leitores, hoje adultos, que me acompanham desde a infância.

Isso é muito poderoso e, por mais que reflita uma convicção pessoal, eu acho que exemplifica de maneira perfeita o espírito do crowdfunding: você precisa entregar algo nas mãos das pessoas antes de pedir a ajuda delas: uma história, um projeto, uma derrota, um abraço, um mísero sorriso. Eu dei tudo isso. E depois de dez anos, o círculo se fechou.

Muito obrigado, cinquenta mil vezes obrigado. :)

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.

12 Comentários

  • Pode-se dizer que sou fan incondicional dos combo rangers, cara com eles eu aprendi tanta coisa, eu me interesei por dezenhar graças a eles, e até hoje em meus desenhos eu uso aquele estilo de olho dos combo rangers, ainda me lembro do dia em que comprei minha primeira HQ “Ken te viu Ken te vê” nem preciso dizer que depois disso o Ken virou meu favorito né? Só fiquei puto com uma coisa, poxa cara terminar o trabalho logo quando o Ken consegue uma namorada .____.’ (e que namorada heim)
    Ouvir você falar sobre o retorno deles, é algo que não tem palavras para descrever!!

    Espero que que esse projeto vá pra frente pois um dia quero ler essas HQ para meus filhos!! \o/

    Uma duvida, essa nova saga vai sair nas bancas? Como posso adquirir um exemplar? Pois é morar em cidade do interior de Minas Gerais não é facil, mais fã que é fã não desisti e corre atrás!!

    E que maneira melhor de terminar do que com a épica fraze:

    “… Depois de tanto tempo, depois de dez anos… nós podemos voltar a sonhar!”

    UHUUUU TÁ NA HORA DO COMBO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • O governo deveria apoiar! Talvez, no frete do correio, para as recompensas.

    Produtor e consumidor juntos!
    Uma saída para a pessoa ter opção frente aos megamonopólios do entretenimento (eles são avassaladores!).
    Veja o que diz o mestre em edições de livro André Schiffrin no Roda Viva da TV Cultura: http://tvcultura.cmais.com.br/rodaviva/andre-schiffrin
    A coisa tá preta e Crowdfunding é uma boa saída.

  • Hugo Lavalle says:

    Fábio,

    Tomei conhecimento da sua proposta em crowdfunding através do nerdcast.

    Parabéns pelo sucesso na arrecadação. Também tive uma experiência semelhante e concordo com todas as dicas. Tive um projeto envolvendo software e hardware livre financiado pelo crowdfunding da itsnoon.net, que também é uma plataforma nacional. Na itsnoon, além de obter financiamento para uma ideia (vender ideia), você pode também comprar ideias (chamada criativa).

    Minha esposa escreveu um livro também irá utilizar o crowdfunding da itsnoon para tentar editá-lo. Recentemente ela estava pesquisando na internet sobre o processo de escrever e editar livros, e encontrou um post seu falando sobre o assunto.

    Um abraço,
    Hugo

  • Artur Oliveira says:

    É Yabu, se vc quase chorou gravando o vídeo, pode ter certeza que a cada palavra, nota ou ~ sussurro ~ que envolve “A volta dos Combo-Rangers”, meus olhos (e tenho certeza que o de milhares) se enchem de lágrimas. Posso me lembrar da primeira vez que eu li os Combo-Rangers, como fiquei empolgado com aquele ‘gibi de internet’ que me lembrava Power-Rangers e que fazia referência a tantas outras coisas que me encantavam, e o melhor de tudo, era brasileiro, igual a mim! Lembro do meu irmão que me zoava por ficar lendo e que depois me pediu emprestado os 3 HQ’s que eu consegui comprar na época e que ao fim de tudo também ajudou para a volta dos nossos herois. Pode ter certeza que estamos juntos nessa e que eu estou contando os dias/horas/minutos para ter em mãos a HQ da gloriosa volta dos Combo Rangers. TÁ NA HORA DO COMBO!

  • Olá Yabu!
    conheci você na tarde de autógrafos com o JN aqui em Curitiba.
    Faço parte do projeto Cliche, arrecadamos a verba necessária para fazer a nossa terceira edição atravez do catarse, concordo com todos os pontos levantados ai em cima!
    Mas principalmente crowdfunding é super importante pois conseguimos atingir exatamente o publico alvo =D
    Fico extremamente feliz por você ter alcançado a meta e os Combo Rangers voltarem a ativa =D

    Abraços

    p.s> espero que tenha curtido a revista

  • Raphael Pinheiro says:

    Yabu, não sei se você guarda isso, mas nesse meu e-mail do Yahoo! aí linkado – que uso até hoje – o segundo e-mail mais velho da minha inbox é seu. Respondendo algumas palavras simples de apoio que tentei passar numa fase complicada sua e que parecia ser o começo do fim (momentâneo) dos Combo Rangers. Acompanhei desde o início no extinto PQP, comprei todas as revistas e fiquei órfão quando acabou, mas ciente de que havia motivos fortes para que aquilo acontecesse. Também sabia que apesar de terem restado dúvidas e curiosidades, você voltaria ao assunto, quero dizer, continuando ou concluindo a história dos personagens quando fosse o momento certo.

    E nada mais justo do que continuar te acompanhando, construindo tua trajetória com novas e bem-sucedidas obras, as quais te imortalizam por muitas outras gerações e que se você precisar daqui a uns 15, 20 anos de um crowdfunding de Princesas do mar, com certeza vais arrecadar o dobro ou triplo disso aí. :)

    Tenho 30 anos hoje. Contribuí sem nem pensar duas vezes. Mas se ainda tivesse os, sei lá, 17 anos daquela época áurea, daria um jeito de fazer o mesmo.

    Já estou no aguardo! Abraços!

  • Juliano Yamada Rovigati says:

    Olá.
    Realmente é maravilhoso ver o retorno dessa obra brasileira às mãos dos fãs; em idos de 1997/98 tive meu primeiro acesso oficial ao mundo digital da internet quando conseguimos um PC para nossa casa, após alguns sites padrões cliquei num link e adentrei em seu site, adorei de imediato sempre acompanhava as aventuras das crianças que eram somente bolinhas, vi a evolução e o lançamento das HQs (pena que perdi todas nas “limpezas” feitas por mãe e irmã mais velha), hoje aguardo ansioso por esse retorno triunfal de um autor e sua criação. Abraços e boa sorte.

  • Fernando Freiria says:

    Fiquei muito feliz quando soube que o projeto ia dar certo, principalmente, porque imaginei o que o Fábio estava sentindo. É muito comovente e tal quando você ouve falar sobre sonhos em livros e filmes, mas quando tem um exemplo real bem na sua frente é algo para você parar e refletir.

    Acredito que nada é por acaso, nada acontece sem alguma razão. Espero que os Combo Rangers inspirem muitas pessoas por aí! E ótima postagem, pode ajudar a quem precisa de um incetivo. =)

  • Eduardo says:

    Eu só ajudei o Yabu por sentir que o conheço há anos através do nerdcast e achar que precisava ajudar um amigo. Ele é muito inteligente, esforçado e dedicado. Merece ter realizados seus sonhos.

  • ótima postagem! É muito legal ler os teus aprendizados, e gratificante ter conhecido os combo ranges anos atrás e poder estar aqui agora vendo tudo isso acontecendo!! Valeu Yabu!

  • Eu acho que a última parte é a mais importante de todas. Não foi qualquer pessoa que conseguiu lá os 50 mil, foi o cara que fez os Combo Rangers, Princesas do Mar, Independência ou Mortos, Branca dos Mortos e os 7 zumbis e tantos outros materiais.

    Eu nem me considero um fã dos Combo Rangers, apesar de ter acompanhado esporadicamente, mas me interessei em participar do crowdfunding porque conheço e admiro o trabalho do Yabu. Se fosse uma coisa do nada eu provavelmente não teria interesse em investir (como não tive em outros projetos) exatamente porque não sabia se a coisa ia acontecer ou não.

    Num caso de crowdfunding desses o que termina valendo mesmo é o histórico de quem está fornecendo, porque quem está financiando está entrando com um “investimento” acreditando que a pessoa vai ser capaz de entregar o resultado esperado no futuro (e não comprando um produto e recebendo na hora), então tem que ter certeza que o negócio é certo e não um curioso tentando ganhar dinheiro as custas dos outros.

    Sucesso aí Fábio e tá na hora do Combo!

  • Lia Tumkus says:

    Tá! Chorei no final… :)



  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube