YabloG! - Archive - Criações

Ilustração: Mathiole
Maldição” significa “mal dizer”, “difamar”, algo que antigamente acreditava-se ser tão poderoso que ser amaldiçoado era muito pior que morrer. Afinal, calúnias e fofocas sobre nós atingem nossos filhos e descendentes, e não cessam nem mesmo com a morte.
Ao final de 2008, eu buscava inspiração para escrever meu novo livro, quando fui tomado por uma epifania, um pensamento que apareceu do nada em minha mente – como se alguém tivesse sussurrado três palavrinhas no meu ouvido. Tais palavras foram “a-última-princesa”. Fiquei com aquele sussurro orbitando meus pensamentos por várias semanas, sem saber o que significava, até consultar um oráculo, o Google, e descobrir que a última princesa que tivemos em nosso país havia sido Isabel. Aquela, dos escravos.

Lembrei-me das ruas, avenidas e escolas que levam o nome da Princesa, que batizou até uma cidade na Paraíba. De todas as vezes que peguei um ônibus identificado com a placa Terminal Princ. Isabel. E então percebi que não sabia onde ficava esse terminal – ou quem havia sido a princesa.

Imediatamente interessei-me pela sua história. E ler sobre sua vida, sua família, seu grande amor e, principalmente, seus inimigos, fiquei abismado ao perceber que ela também sofrera uma espécie de maldição. Um ano após assinar a Lei Áurea, a Princesa foi exilada junto à sua família, perdendo para sempre o trono para o qual foi preparada desde a infância para assumir. No exílio, viu a mãe morrer de tristeza. Pouco tempo depois, perdeu o pai, que mesmo tendo recebido homenagens de governantes de todo o mundo, teve o funeral ignorado em seu país de origem. A Princesa morreu muito tempo depois, sem nunca ter voltado para casa. E talvez o lado mais triste de sua história foi que ela acabou esquecida pelo próprio povo.

Afinal, o que a gente sabe sobre a Princesa Isabel? Sabemos o que ela fez, mas não imaginamos quem ela foi. Não fazemos ideia de sua rica história de vida, repleta de fatos curiosos e até engraçados, como a troca de noivos realizada com a irmã às vésperas de seu casamento. Ou que sua luta pela libertação dos escravos precede em décadas a assinatura da Lei Áurea.

Durante os 30 anos em que viveu na França, a Princesa conheceu outro brasileiro ilustre: Alberto Santos Dumont, um dos homens mais famosos da época. O simples encontro dos dois já é algo inacreditável por si só – pois em geral tem-se a percepção de que a Princesa viveu numa época medieval, enquanto Santos Dumont conviveu com nossos bisavós. Mas o fato é que eles se conheciam, sim – e costumavam se encontrar com outras figuras excêntricas, quase uma “Liga Extraordinária”, como o arquiteto Gustave Eiffel, o relojoeiro Louis Cartier, e – especula-se – o escritor Júlio Verne.

O primeiro encontro dos dois também é digno de uma cena de livro: o inventor literalmente caiu do céu, enquanto realizava os testes de seu balão nº 5 em Paris. Ele ficou preso numa árvore próxima à residência da Princesa, e ao saber do fato, a filha de D. Pedro II pediu que seus criados levassem um suntuoso almoço ao conterrâneo – com queijos, frutas e champagne – enquanto os bombeiros tentavam encontrar uma maneira de resgatá-lo.

E são essas histórias fantásticas que inspiraram meu novo livro, “A Última Princesa“, que considero um “conto de fadas histórico”, pois não se trata de um livro de História (com H maiúsculo). Tomei muitas liberdades no enredo, e os personagens sequer carregam os nomes de suas contrapartes reais. É um conto sobre dois sonhadores, uma princesa que se diz amaldiçoada e um aviador que não acredita em maldições determinado a levá-la de volta para casa. Pessoas que enfrentaram seus medos pelas coisas em que acreditavam, pagaram o preço e jamais olharam para trás.

Em “A Última Princesa”, não pretendo recontar a história do Brasil, mas sim, chamar a atenção das pessoas para essa personagem tão importante que não merecia ter sido esquecida. E, quem sabe assim, quebrar sua maldição.

O livro chega às livrarias no início de 2012, ainda sem data definida, e será minha primeira obra para o público jovem, pela Editora Record (valeu, Dudu!), com ilustrações de Mathiole. Avisarei a todos do lançamento por aqui, pelo Twitter e pelo Facebook. Aguardem!

Gravei um vídeo com o glorioso Daniel Bueno, para divulgar nosso primeiro trabalho conjunto, “Apolinário – O Homem-Dicionário“. Saiba um pouco mais sobre a trama e a técnica de ilustração única do livro, e veja como dois autores de livros infantis triunfam sobre a própria timidez!

Curtiu? Compre o seu aqui! :)

Apolinário é um senhor de respeito
Cujo pretérito tem algo imperfeito
Em busca de seu verdadeiro “eu”
Encontrará a palavra que nunca aprendeu

Todos têm uma palavra perdida
Algo faltando no seu livro da vida
Seu coração ficará mais sereno
Com o livro de Fábio Yabu & Daniel Bueno

Finalmente, chegou às minhas mãos meu mais novo livro, “Apolinário, o Homem-Dicionário” (Panda Books), do qual já havia comentado algumas vezes aqui. É meu décimo-segundo livro, e um trabalho muito especial por vários motivos. Primeiro, porque é uma história que tem muito de mim, das coisas em que acredito e na minha filosofia. Segundo, porque o livro ganhou vida nas mãos do genial Daniel Bueno, um dos melhores ilustradores do país e vencedor do Prêmio Jabuti. Bueno conseguiu materializar de forma brilhante conceitos subjetivos do texto, usando letras e livros para representar os personagens e suas emoções. Foi dele, aliás, a ideia de fazer os personagens com corpo de livro. Por último, não menos especial é o prefácio de Mauricio de Sousa, de quem sou fã desde que me entendo por gente.

Apolinário, o Homem-Dicionário conta a história de um garoto que, depois de descobrir um dicionário mágico, aprende todas as palavras da língua portuguesa, exceto uma. O livro, repleto de referências – de Camões a Drummond –  mostra a jornada de Apolinário em busca de sua “palavra perdida”, e termina com uma bela surpresa no final.

De "Combo Rangers" a "Apolinário"... quanta diferença!

Como tem virado hábito, o livro é bem diferente dos meus outros trabalhos, mesmo de “Raimundo, Cidadão do Mundo“. Conforme os anos vão passando, fico cada vez mais certo de que não quero ficar preso a um único estilo em minha carreira. Nada contra quem faz isso, mas mudar completamente de ares é tão revigorante, me dá tanto gás para criar coisas novas que começo a achar que para mim isso não é uma simples opção, mas uma questão de sobrevivência.

A jornalista Fernanda Correia escreveu uma resenha emocionante no site da Livraria da Folha, vale a pena conferir.

Adquira já o seu exemplar no site da Panda Books, ou em sua livraria favorita! Em breve, anunciarei aqui e no Twitter os detalhes da tarde de autógrafos!

Aqui estão os novos Cartões de Natal e Ano Novo Mude o Mundo 2011 (que nome comprido!). Sei que me atrasei um pouco esse ano, devido à minha agenda cada vez mais atribulada. Além dos modelos de 2010, estou introduzindo esse ano mais três cartões, com propostas um pouco diferentes, mas que tratam de problemas e vontades tão urgentes quanto o meio-ambiente.

(mais…)

Essa semana fez 12 anos que registrei o domínio www.comborangers.com.br. Desnecessário dizer tudo o que aconteceu depois, ou como tudo terminou. Mas fuçando aqui uns arquivos antigos, encontrei algo que acho que vai deixar alguns fãs felizes: uma história inédita de 10 páginas estrelando o Tio Combo, escrita e ilustrada pelo mega-boga Michel Borges em meados de 2003. Hoje ele desenha (e escreve) muito melhor, como pode ser visto em seu 1º álbum, Anarriê. Não deixe de prestigiar o trabalho desse meu querido e talentoso amigo, e ver o quanto ele evoluiu em apenas 7 anos.

Estou disponibilizando as páginas da HQ abaixo. Se preferir, pode baixar nos formatos CBZ e ZIP.

Gostaria de lembrar que NÃO HÁ PLANOS de retomar os Combo Rangers por enquanto. Atualmente, estou trabalhando com outros personagens e histórias, em especial, meu primeiro longa-metragem, “A Última Princesa“, de quem vocês ouvirão falar no ano que vem!

E, pelos velhos tempos, não se esqueça de deixar seu comentário depois de ler! ;)

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube