YabloG! - Blog do escritor Fábio Yabu

Vontades

outubro 14th, 2005 | Por Fábio Yabu sob Crônicas - (Comentários desativados)

Às vezes eu simplesmente tenho vontade de escrever. Pode ser no meio da rua, do almoço ou da noite. Começo a “receber” idéias, palavras e frases praticamente inteiras, que só precisam de um pedaço de papel ou editor de texto (nesse caso, o sempre eficiente e jamais substituído Wordpad) para serem organizados.Às vezes tenho vontade de organizar as coisas. Dar uma geral na casa, começar o trabalho pela manhã e só terminar no final do dia, começando pelo chão, dando uma pausa no quarto do computador, onde tem um gaveteiro que sempre tem algo pra se jogar fora, voltando para o chão, vassoura, aspirador, aquele produto cheiroso cor de rosa e cancerígeno, então a cozinha e finalmente chega a vez do banheiro, onde já emendo com um merecido banho. Depois que está tudo limpinho, a noite já começa a pedir licença, sento no sofá e vejo um DVD, leio um pouco ou mudo de canais repetidamente.

Às vezes tenho vontade de fazer nada. Pode ser fazer nada caminhando, dormindo, olhando as plantinhas na minha varanda ou indo até a padaria. Olho os doces, os bolos, os salgados e acho tudo muito bonito. Mas na real, nem tenho vontade de comer nada. Só acho bonito. Acabo me contentando com um pão de queijo e um café, que o Paulinho já preparou antes mesmo de me dar o “bom dia, meu patrão!”.

Às vezes eu queria ser Deus. Mudar tudo, não ser tão limitado. Pelas leis da física, mesmo. Sabe, sair correndo, dar um pulo ou um espirro e ir parar lá longe, no tempo e no espaço. Tornar 21 graus a temperatura obrigatória de todas as manhãs. Embutir o planejamento familiar no código genético. Mandar os publicitários para o purgatório. Substituir todos os verbos no imperativo por apenas um: seja. Dar pra todo mundo aquele 1% que falta para qualquer um ser pleno. Queria mudar tudo. Mudar um universo por um sorriso.

Batman Begins

outubro 13th, 2005 | Por Fábio Yabu sob Resenhas - (Comentários desativados)

Pois é, quando o filme estava nos cinemas há poucos meses, todo mundo me perguntava quando eu ia escrever sobre ele. Acontece que eu fiquei enrolando, quando fui ao cinema já tinha lotado, vieram filmes mais prioritários como Terra dos Mortos e… acabei não vendo Batman Begins na telona.

Tudo bem. Hoje o file já está em DVD para locação e compra (achei absurdos os R$ 49,90, daqui a dois meses você encontra por R$ 24,90 na Blockbuster ou mesmo no Carrefour).

Bom. Assisti. E…

Cara…

Eu gostei. Gostei, gostei. Mas não SUPER gostei.

Agora, largue essa cadeira e vamos conversar.

Sabe, a primeira hora do filme é muito boa. O treinamento de Bruce, os diálogos e interpretações estão muito bons… a direção também manda bem. Mas a acho que o roteiro não se mantém durante o filme. Quando Bruce volta para Gotham e começa a socar os bandidos é que os problemas começam e o filme desanda.

O filme vive se justificando demais, leva o seu entendimento a um nível desnecessário que acaba frustrando quando alguma cena requer um pouco mais de condescendência do expectador. Por exemplo: toda a artilharia do Batman, da roupa à capa, passando pelas luvas e pelo cinto de utilidades, é tudo explicado tintim por tintim. Mas então temos um carro de quatro toneladas pulando de prédio em prédio sem demolir nenhum. E um plano maligno de um super-vilão que começa como um personagem crível mas depois parece fugido diretamente do covil da Legião do Mal. Caramba, quer destruir Gotham? Joga uma bomba, ué! Não precisa fazer aquele esquema todo.

Foi isso que acabou me frustrando um pouco. Esse realismo excessivo versus fantasia dos quadrinhos, que não é encontrado em Homem-Aranha 2, por exemplo. Lá tudo é meio fantasia. O filme não fica se justificando, os personagens são críveis mas nem por isso ver Peter Parker se pendurando entre os prédios parece fantasioso.

E a atual Sra. Tom Cruise, Katie Holmes, hein? De todas as namoradas que o Batman já teve no cinema, ela é foi sem dúvida a mais fraquinha. Não tem como não lembrar de Kim Bassinger, Michelle Pfeifer e a ex-senhora Tom Cruise Nicole Kidman.

Também prefiro a Gotham do Tim Burton.

Outra coisa que me incomodou foram as malditas frases repetidas pelos personagens em momentos diferentes do filme. Tipo “Você não desistiu de mim, não é mesmo, Alfred?”. “Nunca“. Ou então “Por que caímos, Bruce?”, repetida mais vezes durante o filme do que o refrão de “I wanna rock and roll all nite“, do Kiss.

Bom. Pode não parecer, mas eu gostei, tá?

P.S.: Sabe uma coisa que eu nunca entendi no Batman? Aquela história dos pais dele. Tipo, você é um dos homens mais ricos do planeta, mora num castelo e resolve ir ao cinema. Será que na volta você pensa: “Bom, como vou voltar pro meu palácio a pé com minha esposa chiquérrima e meu filho de 7 anos, acho melhor a gente pegar um atalho por esse beco escuro, suspeito e cheirando a dejetos humanos.” ?


Avril

setembro 29th, 2005 | Por Fábio Yabu sob Crônicas - (Comentários desativados)

Dizem que cada geração tem o ídolo que merece. A afirmação geralmente é seguida de um “no meu tempo…” que deixa de lado fatores sociais, políticos e econômicos que heterogenizam as décadas e a cultura pop. Justifica-se apenas pelo saudosismo e natural rejeição do novo por quem está vendo o bonde da vida passar.

Para alguém que já se aproxima de uma idade em que tudo que se refere ao passado é “no meu tempo”, assistir ao show da cantora Avril Lavigne em São Paulo foi uma experiência rica, curiosa, e por que não, divertida?

Em torno de 40.000 fãs se reuníram numa tarde nublada no Estádio do Pacaembu para assistir a cantora recém saída da puberdade que muitos deles nem ainda alcançaram. A grande maioria do público era formada por crianças e pré-adolescentes, meninas vestidas e penteadas a caráter acompanhadas pelos pais. Alheias à histeria que se instalou no instante em que os primeiros acordes de Sk8ter Boi foram ouvidos, crianças pequenas corriam e brincavam de pega-pega na pista.

Apesar de curto, com pouco mais de uma hora e quinze minutos, o show deixou a todos satisfeitos. Os grandes hits como I’m with you, He wasn’t, Losing Grip, Nobody’s Home e também covers de Blink 182 (All the Small Things) e Blur (Song 2) foram cantados em uníssono e alto e bom inglês pelo público. Entre um sucesso e outro, Avril também arriscava solos de bateria, violão e piano que, se não são demonstrações de um primoroso talento, ao menos a diferenciam de suas concorrentes loiras, rebolantes e siliconadas.

Entre as imagens curiosas que definem o show e também a primeira geração criada à base de Internet e TV a cabo, está um garoto de 6 anos cantando o hit Complicated com impressionante fluência e centenas de pontinhos luminosos na pista formados não por isqueiros ou flashs de máquinas fotográficas, mas visores de celulares e câmeras digitais, cujas fotos a essa hora já povoam milhares de blogs e flogs internet afora.

Saem as brigas, desmaios, cerveja e cheiro de cigarro tão comuns em shows desse tamanho e entram as famílias felizes, sorvetes e cachorros-quentes. A calmaria na entrada e saída espelham a rebeldia sem causa de quem, de mãos dadas com os pais e irmãos, ainda não tem lá muito do que reclamar.

Quem dera se fosse sempre assim.

Sobre rodoviárias e aeroportos

setembro 13th, 2005 | Por Fábio Yabu sob Crônicas - (Comentários desativados)

Estava pensando esses dias sobre o ar – o vibe – de rodoviárias e aeroportos.A impressão de que tenho é que, apesar de suas finalidades serem semelhantes, as rodoviárias têm um ar mais alegre, de partida, aventura, e também de alívio da chegada. Já os aeroportos me parecem um pouco mais melancólicos, apressados, até meio tristes. Pode reparar: por mais que um aeroporto tenha aquele glamour e geralmente seja mais arrumadinho que uma rodoviária, uma despedida no primeiro é muito mais triste do que no segundo.

Uma outra coisa que me chamou a atenção na última semana, em que passei horas tanto em um quanto no outro, foi o quanto os dois ambientes são propícios – pelo menos para mim – ao processo criativo. Acho que é um pouco daquele vai-e-vem de gente de tantos lugares diferentes, cada um com sua motivação e drama pessoal.

Eu olho na cara das pessoas, sonolentas nos bancos de espera, ansiosas no salão de desembarque, aliviadas ao sair com suas malas, entediadas nos cafés ou no check-in, olhando a vitrine das lojinhas com seus preços absurdos, e de repente me sinto cúmplice e testemunha de tantas vidas que aparentemente não tem nada a ver com a minha, mas que por razões distintas nos trouxeram àquele breve momento que provavelmente será o único que partilharemos juntos.

Rodoviárias e aeroportos dão uma vibração diferente às coisas. Uma garrafinha d’água que você leva para um ônibus e que se torna sua companheira por horas a fio tem um gosto muito diferente da água que você toma no dia-a-dia. E que outro lugar um sanduíche do McDonald’s tem gosto de despedida senão num aeroporto? Aqueles minutos que antecedem a partida, poucos, 15, que você quer preencher de alguma forma que não seja olhando a tabela de vôos ou folheando revistas, mas também não quer já iniciar o doloroso processo de adeus. Quinze minutos depois e tudo acaba, ou você parte, ou você fica, o mundo muda mas tudo à sua volta continua igual, estático, seja no solo ou no ar.

Se por um lado é difícil ficar alheio a esse turbilhão de sensações, por outro ele funciona – pelo menos para mim – para estimular a minha criatividade. O que mais gosto de fazer quando estou sozinho numa rodoviária ou aeroporto, ônibus ou avião, é escrever e pensar em histórias. Talvez seja o vibe no ar, talvez seja só uma invenção da minha mente, mas acho que algumas das melhores histórias que escrevi saíram assim. Inclusive meu próximo livro. Não o segundo, que sai logo, logo. O terceiro.

Meu amigo Senhor Lorenzo Terceiro – Uma história real

setembro 13th, 2005 | Por Fábio Yabu sob Crônicas - (Comentários desativados)

O primeiro computador no qual mexi foi um 486, que meu pai comprou por volta do distante ano de 1994. Até então eu não sabia nada sobre computadores, e nem imaginava o quanto o mundo iria mudar a partir daquele dia. Mudanças tão profundas que é difícil imaginar como as coisas funcionavam antes delas. Comunicação instantânea, compras pelo computador, música e vídeo digital, sorrisos através da webcam, informação descentralizada e quase democrática se não fosse tão restrita.Com aquele 486, que para facilitar vamos chamar de Lorenzo Primeiro, comecei a me aventurar no mundo da informação digital através das BBSs, a escrever e armazenar meus textos e a desenhar no Paint. Seus heróicos 4 megas de RAM me ajudaram a processar informações e sentimentos me colocaram a estrada que me trouxe até aqui. Esse momento específico, no qual sinto uma mistura de orgulho com saudade e nostalgia.

Dois anos depois de Lorenzo, veio meu primeiro emprego, aos 17 anos de idade. Alguns meses de trabalho me possibilitaram comprar, em seis prestações, um poderoso sucessor chamado Lorenzo Segundo, para o qual eu tinha planos grandiosos. Com Lorenzo Segundo e seu enorme poder de processamento, eu criaria uma revista e levaria para a Editora Abril publicar. Simples assim. Eu até tinha ligado lá para avisar.

O que ninguém sabe até hoje, foi como ladrões entraram em minha casa em Santos numa tarde de sábado e levaram tanto Lorenzo Primeiro quanto Segundo, que conviveram juntos por apenas uma semana. Sozinho naquele apartamento (minha família estava viajando), fiquei com o sonho de publicar uma revista, cinco meses de prestação de Lorenzo Segundo e um pé na bunda fenomenal da namorada.

Solidários com o meu drama, meus pais compraram um computador novo, mas o sonho de publicar uma revista foi adiado por uma avalanche de eventos que envolveram uma nova namorada e os rascunhos que em 1997 viraram o site dos Combo Rangers.

Três meses após ter criado o site, com 19 anos de idade, recebi um e-mail da Intel, com uma oferta de patrocínio que levou meus sonhos e expectativas a um novo patamar. A oferta incluia também um computador, esse sim, Lorenzo Terceiro, que me acompanhou pelos sete anos seguintes.

Lorenzo Terceiro esteve comigo em todos os momentos. Em meu primeiro apartamento em São Paulo, na ascensão e posterior queda da Internet. Em meu primeiro escritório, para o qual comprei computadores ainda mais poderosos que ele, mas nunca com seu charme e lealdade.

Ele passou por mais de sete mudanças. De um escritório enorme numa das mais importantes avenidas de São Paulo, passando por uma salinha bem mais modesta num bairro residencial e mais dois escritórios cada vez menores. Onde quer que eu viesse a ter uma mesa, Lorenzo Terceiro estava lá. Guerreiro, sobreviveu a tudo. Cortes de gastos, vendas de equipamentos, até uma enchente.

Corajoso, ele me ajudou a produzir mais de 20 revistas e meus dois primeiros livros. Nele, escrevi, desenhei e colori quase tudo que produzi nos últimos sete anos. Assisti filmes, ouvi músicas, reencontrei pessoas queridas.

Veio a nova empresa, os novos computadores, o novo escritório e mais um monte de sonhos. Pela primeira vez, Lorenzo Terceiro não foi comigo. Meu velho companheiro ficou em casa, servindo bem o seu propósito e me ajudando como podia.

Apesar de confiável como nenhum outro computador, Lorenzo Terceiro já mostrava os sinais da idade. Demorava para inicializar, reclamava quando tinha que exibir um trailer de filme, chorava até para abrir o Firefox. Mas travar? Nunca. Lorenzo Terceiro nunca foi disso. Mas, devido à suas reclamações, decidi que era hora de dar a ele seu merecido descanso. De devolvê-lo ao seu primeiro lar, para que possa morrer em paz daqui a alguns anos. Muitos, se a providência permitir.

Liguei para meus pais, que se comprometeram a cuidar muito bem dele, que continuaria sendo um servo leal, agora apenas acessando a Internet.

Então chegou seu sucessor, que não se chama Lorenzo Quarto, pois o Terceiro nunca terá um substituto à altura. Após transferir para o novo os gigas que tanto exigiram de si durante tantos anos, formatei Lorenzo Terceiro. Tirei dele o peso de carregar nas costas coisas que já não são para sua idade. Abri seu gabinete judiado e tirei todo a poeira acumulada. E ontem, sentado no chão frio, com um paninho com Veja nas mãos e um pincel que me ajudou a tirar a poeira, eu o abracei e disse: “Obrigado por tudo o que você fez por mim. Por nunca ter me deixado na mão. Por ter aguentado produzir tantas idéias e realizado tantos sonhos. Por cada página que me ajudou a desenhar e colorir, por cada frase que me ajudou a escrever. Por ter feito tantos backups diários que nunca foram necessários porque você nunca me deixava perder nada. Obrigado, Lorenzo Terceiro. Obrigado.”

Terminei a limpeza, empacotei meu velho amigo. Horas depois meu pai veio buscá-lo de carro.

Uma hora e meia depois depois, ao chegar em Santos, meu pai o ligou à tomada.

Então, Lorenzo Terceiro pifou.

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube