YabloG! - Tag Archive - Filmes

Após Super-Homem – O retorno, a responsabilidade dos produtores de Smallville aumentou bastante. Será que eles vão conseguir fazer a série voltar à velha forma? Ironicamente, a audiência só aumenta enquanto os roteiros e o bom senso já foram para a Zona Fantasma há tempos…

A nova temporada vai contar com um novo herói do universo DC… Oliver Queen, o adorado Arqueiro Verde… que convida Clark para integrar nada menos do que… a Liga da Justiça? Ohmygawd!

Veja o trailer aqui.

E uma ótima notícia para os fãs do Homem de Aço. Foi confirmada pela Warner Bros a sequência de Super-Homem – O retorno, para o longínquo 2009 (será que até lá a Kate Bosworth já vai ser maior de 16 anos?). A sequência deverá trazer de volta o vilão “Ajoelhe-se perante” Zod. Segura coração!

Muito tem se falado do desempenho “decepcionante” do filme nos cinemas. Decepcionado estou eu, com a falta de sensibilidade das pessoas! O filme é maravilhoso, sensível e inteligente, não trata o espectador como idiota metendo adrenalina goela abaixo e empurrando o roteiro pra debaixo do tapete. Se você não gostou, vá ver de novo que você não entendeu, oras! E se não gostou de novo, veja de novo, até você entender, gostar e reconhecer que o filme chuta bundas!! E não me faça levantar da cadeira, ouviu??

Uma ótima semana a todos! :D

smv.jpg
Ah, essa foto é da primeira temporada, não da sexta. Tudo bem vai, não mudou nada mesmo!

Dreamgirls, com Jennifer Hudson

agosto 14th, 2006 | Posted by Fábio Yabu in Resenhas - (1 Comments)

dreamgirls.jpg

O novo musical da Dreamworks, estrelando Beyoncé, Jamie Foxx, Danny Glover, Eddie Murphy e a ex-competidora do American Idol 3, Jennifer Hudson recebeu seus primeiros reviews. Segundo o site Ain’t it cool news , o filme é “fucking amazing“, e vai além ao prever a indicação de Jennifer Hudson ao Oscar. Hudson, pra quem não lembra, era uma das candidatas mais fortes no American Idol 3, e entre seus maiores defensores estava o cantor Elton John.

O filme estréia nos EUA no Natal. Ainda não foi divulgado o trailer, mas você pode ver o teaser aqui.

A Maldição do Super-Homem

agosto 4th, 2006 | Posted by Fábio Yabu in Resenhas - (12 Comments)

Na manhã de 17 de junho de 1959, os Estados Unidos acordaram com uma trágica notícia: o Superman havia morrido. George Reeves, que interpretava o kryptoniano na série de TV havia sido encontrado em seu quarto, morto com um tiro na cabeça. O relatório da polícia concluiu que o ator havia se suicidado, possibilidade desacreditada por sua mãe, Helen Lescher, que iniciou por conta própria uma investigação infrutífera.

Esse foi apenas um dos estranhos fatos envolvendo atores ligados ao papel do Homem de Aço. O mais famoso deles sem dúvida foi Christopher Reeve, que interpretou o Superman na famosa série de filmes. Após sofrer um acidente de cavalo em 1995, o ator ficou tetraplégico e veio a morrer de insuficiência cardíaca em 2004. Em março de 2006, sua esposa Dana Reeves, que não fumava, morreu de câncer no pulmão.

Margot Kidder, que atuou como a Lois Lane ao lado de Reeve, foi vítima de psicose e hoje está em tratamento contra o distúrbio bipolar, que causa variações drásticas de humor. Já Marlon Brando, que interpretou Jor-El nos mesmos filmes, tem seu próprio histórico de tragédias: em maio de 1990, seu filho matou a tiros o namorado da irmã, que entraria em depressão e viria a se suicidar cinco anos depois, aos 25 anos. Marlon Brando morreu aos 80 anos, vítima de um debilitado quadro de saúde nos pulmões, coração e fígado.

A tal “maldição” não poupou nem os seriados mais recentes do herói. Poucos atores que vestiram a capa vermelha vieram a ter algum sucesso após o encerramento de suas séries. A excessiva notoriedade causada pelo manto do Superman atrapalhou e muito a carreira de Gerard Christopher e John Haymes Newton, que interpretaram o Superboy na série de TV dos anos 80, e também de a Dean Cain, o Homem de Aço de “Lois e Clark – As novas aventuras do Superman”, de 1993. Já Lane Smith, que interpretava o editor do Planeta Diário no mesmo seriado teve uma morte dramática: diagnosticado com a Esclerose Lateral Amitrófica, mesma doença que tirou a fala e os movimentos do cientista Stephen Hawking, morreu em 2005 aos 69 anos.

Diante de fatos tão chocantes, fica no ar a pergunta: existe mesmo uma maldição do Superman? Reza a lenda que Keanu Reeves, o Neo de Matrix foi apenas um dos muitos atores que declinaram o papel por medo da tal maldição. Superstição ou não, é preciso também considerar mais alguns fatos relevantes quanto às suas “vítimas”. O mais óbvio é que o personagem foi criado há quase 70 anos, e é natural que muitos dos envolvidos em todas as suas aparições na mídia estejam mortos hoje em dia, vítimas de maldição ou não.
A superexposição causada pelo papel é frequentemente citada como fator que encerrou as carreiras de muitos dos Super-Homens da TV e do cinema. Mas esse fato pouco teria a ver com uma maldição, já que muitos outros atores enfrentaram problemas parecidos em papéis diferentes, como Mark Hammil, o eterno Luke Skywalker.

Já Teri Hatcher, a Lois Lane de “Lois e Clark”, também encontrou problemas depois que a série foi encerrada em 1997. Ela chegou a ser uma Bond Girl ao lado de Pierce Brosnan em 007 – O Amanhã nunca morre, e depois veio a passar alguns anos na obscuridade. A sorte de Teri mudou ao ser escolhida para um papel numa série desdenhada por seis emissoras incluindo a Fox e a HBO, que acabou sendo comprada pela ABC: Desperate Housewives, um dos maiores sucessos da TV nos anos recentes. No papel de Susan Mayer, hoje ela é uma das atrizes mais elogiadas e bem pagas da TV americana.

Há outros fatos que contestam a maldição e raramente são lembrados pelos supersticiosos de plantão. Apesar de ter perdido os movimentos do pescoço para baixo, Christopher Reeve não deixou de lutar pela verdade e justiça. Ele se tornou um grande defensor dos direitos dos deficientes, e um dos mais famosos articuladores a favor das pesquisas com as células tronco nos EUA. Sua fundação Christopher and Dana Reeve Foundation realiza pesquisas pela busca da cura da paralisia enquanto cria programas de melhoria de qualidade de vida dos deficientes. Talvez sua imagem jamais seja desvinculada do papel que o tornou famoso, mas foram seus últimos anos que mostraram à humanidade seu lado Super.

Super-Homem – O Retorno

julho 30th, 2006 | Posted by Fábio Yabu in Resenhas - (7 Comments)

03_BusShelter.jpg

Acabei de voltar do cinema, após ter assistido a Super-Homem – O Retorno pela segunda vez… e, agora que eu já conhecia toda a história, pude prestar mais atenção às sutilezas do filme e me diverti ainda mais que na primeira vez.

Resenhas sobre o filme você pode ler em qualquer lugar, e acho que todas são unânimes em dizer o quanto ele chuta bundas. O que eu quero comentar aqui são leituras pessoais que fizeram do filme inesquecível para mim. Por isso peço que não considerem esse texto uma crítica e sim um relato transparente das sensações que o filme me trouxe.

Coragem

Pra começar, achei a decisão do diretor Bryan Singer de fazer uma continuação de Super-Homem ll brilhante. Quantos filmes podem se dar ao luxo de ter uma continuação 27 anos depois de seu lançamento? Foi uma rara oportunidade na história do cinema que Bryan Singer aproveitou com maestria. Ele usou toda a mitologia do personagem a seu favor. Não perdeu tempo em reapresentar algo que todo mundo já sabe. Nenhum outro personagem de quadrinhos tem esse poder; mesmo quem nunca pegou num gibi do Super-Homem sabe o que é kryptonita e quem é Lois Lane. Mas pergunte por aí quem é a namorada do Batman ou os pais do Homem-Aranha e a história vai ser bem diferente.

Mesmo com toda a notoriedade trazida por quase 70 anos de histórias, uma bem sucedida carreira no cinema e o recente sucesso da TV Smallville, o filme não deixa de ser corajoso e até arriscado. E é aí mesmo que está um de seus maiores méritos; apesar de ser entretenimento, Super-Homem – O Retorno, se arrisca a contar uma história profunda e cheia de camadas. A introduzir elementos numa história que se tornou mitologia moderna, sem desrespeitar todo o legado que ela traz.

É claro que o mundo precisa do Super-Homem. Um salvador, alguém que luta pela verdade e justiça e “todas aquelas coisas”. O paralelo com Jesus Cristo não só foi mantido como reforçado no filme. As cenas que mostram sua ascensão aos céus só poderiam ser uma menção mais clara se fossem seguidas de um número de capítulo e um de versículo.

O Super-Homem não é um herói que nasceu da culpa como o Homem-Aranha, ou da vingança como o Batman. Se isso faz dele um personagem menos profundo, que seja. O Super-Homem é bom porque é bom, e é uma inspiração para pessoas dentro e fora dos quadrinhos. Tem motivo melhor para definir e admirar um herói?

Respeito

Se você ainda não viu o filme, espere para fazê-lo após assistir em DVD aos filmes Super-Homem 1 e 2. Eu garanto, a experiência será completamente diferente.

A atenção aos detalhes e nuances de cada personagem trazidos à nova versão é primorosa. A começar pela abertura e os créditos iniciais, feitos tal qual o filme original. Já na casa de Martha, a mãe adotiva do Super-Homem, é possível ver um quadro com Glenn Ford, que interpretou o pai do herói no filme de 78. A utilização da voz de Marlon Brando como Jor-El então já vale o preço do ingresso.

Todos os personagens principais repetem falas dos filmes de 78. A chegada de Clark ao Planeta Diário e seu encontro com Jimmy Olsen é um dos muitos diálogos intocados, que são uma verdadeira declaração de amor à obra original e de respeito a muitos que, como eu, consideram Super-Homem 1 um precioso tesouro da infância.

Amor

É mais do que ação desenfreada, troca de socos e efeitos especiais. Super-Homem – O Retorno é uma história de amor. Essa é uma das nuances que tornam o filme tão rico.

Você não necessariamente torce para que o casal fique junto no final. Fica aquela dúvida se é certo ou não; eu cheguei a torcer para que o beijo não saísse. Quem já amou sabe que amar não significa estar junto, mas estar “sempre por perto”.

Conclusões

Eu sempre tive uma certa inveja das pessoas que viram filmes como Super-Homem 1, Star Wars e Indiana Jones no cinema. Durante toda a minha vida, eu me perguntava quando eu poderia ter a mesma sensação e orgulho para poder contar para meus filhos e netos.

Vieram filmes como Matrix, Senhor dos Anéis, Homem-Aranha. Filmes que eu até sinto um orgulhozinho, mas não é a mesma coisa. Eu tinha 6 anos quando vi Super-Homem 4 no cinema num passeio da escola, e me lembro com detalhes fotográficos o dia nublado, a estranheza que me causou termos entrado pela porta lateral do Cine Roxy e ainda me pergunto quem eram aqueles meninos sentados na fileira da frente, já que da minha classe é que não eram.

Quando estava mais velho, acabei percebendo a importância dos filmes do Super-Homem no cinema e o quanto eu desejaria poder ter visto o original com um pouquinho mais de idade, até porque o 4o é ruim de doer. Desde então, tenho esperado por anos a fio a volta do Homem de Aço, e hoje finalmente posso estufar o peito e dizer que a espera valeu a pena. O Super-Homem está de volta! Como diria Clark Kent, supimpa!!

E aí, roendo muito as unhas pelo filme do ano?? Está acompanhando o especial do Omelete? Já leu as entrevistas exclusivas com o diretor Bryan Singer, Brandon Routh (Clark Kent) e Kate Bosworth (Lois Lane)? Tem vários artigos meus lá, então não perca tempo, pequeno gafanhoto!

http://www.omelete.com.br/superman.asp

  • Twitter
  • Facebook
  • YouTube